24 de Março de 2020 às 21:41

És socialista e não sabias!

De repente, todos se lembraram que afinal o Estado é amigo, que o Estado não é um bicho de sete cabeças. Afinal, o Estado é mesmo um bicho de sete bolsos.

João de Sousa

Presidente da Associação Juvenil de Lousada e Vice-Presidente da Federação Nacional dos
Estudos Europeus

Vivemos tempos extraordinários. No verdadeiro sentido da palavra. Nada do que vivemos nas últimas semanas é ordinário ou sequer lá perto. E em tempos extraordinários, medidas extraordinárias. Como por exemplo, agora todo o país é socialista.

Todos os antros que até agora gritavam aos sete ventos que o Estado não tinha nada que se meter nas suas contas e gestões, que o Governo não tinha nada que os taxar, de repente, querem a intervenção do Estado. De repente, todos se lembraram que afinal o Estado é amigo, que o Estado não é um bicho de sete cabeças. Afinal, o Estado é mesmo um bicho de sete bolsos.

A Padaria Portuguesa, que em 2016 era um "negócio de tostões que dá milhões", hoje é um negócio que num mês com uma quebra de 40% já não pode garantir o salário aos seus funcionários ou pagar aos seus fornecedores. A Padaria Portuguesa está agora a reparar que, afinal, "espírito de equipa" e "ambiente dinâmico" não pagam contas. Imagino a surpresa de José Diogo Quintela que achou até hoje que era assim que os seus funcionários pagavam as suas rendas.

O Observador, a casa desses colunistas que atacam à primeira vista qualquer acção estatal de apoio a privados, decidiu apresentar ao Governo um programa de apoio fiscais. Em suma, são empréstimos a 5 anos com menos de 1% de juros. Sabem, daqueles que toda a gente consegue ter, até quando a situação económica do país é mais sorridente.

E por fim... por fim, a Iniciativa Liberal. Esse bastião do liberalismo português, que defende a taxação a 15% para toda a gente e a menor intervenção possível do Estado nos assuntos dos privados, apresentou 12 propostas que são a definição de intervenção do Estado na economia. Na fatídica frase criada pelo Departamento de Marketing de Cotrim Figueiredo, és socialista e não sabias!

Note-se que não estou a dizer que estas medidas ou preocupações não são válidas ou infundadas. Estou apenas a notar que ser-se liberal ou de direita é bom, até precisarmos que o Estado abra os cordões à bolsa para nos salvar. Sejamos realistas e admitamos que o Estado não é um bicho de sete cabeças e que a sua intervenção, em maior ou menor força, será sempre necessária. Mas nunca dispensável.